fbpx

Emulsão de Serigrafia: 3 tipos de emulsão

A emulsão de serigrafia, é uma mistura líquida fotossensível (de composição variável, consoante o tipo de emulsão), que aplicada numa tela de serigrafia, e após o processo de gravação, permite criar uma matriz de impressão. Neste artigo, explicamos-te como funciona, que tipos de emulsão de serigrafia existem e os principais passos para emulsionar.

O que é a emulsão de serigrafia?

A emulsão de serigrafia é utilizada no método directo, onde a matriz é gravada directamente na tela, numa sequência de passos.

É sensível à luz (dependendo da emulsão, pode ser sensível a qualquer luz ou a luz UV), o que permite que seja usada no processo de fotossensibilização. Quando exposta à luz UV, a emulsão reage e endurece nas áreas que recebem luz. Em sentido contrário, as áreas não expostas à luz (bloqueadas com o fotolito) não endurecem e são removidas com água durante o processo de revelação, criando um desenho/imagem na tela.

A escolha da emulsão de serigrafia é importante para garantir a qualidade e a durabilidade da matriz. Há diversos tipos de emulsão, com diferentes tempos de exposição, resistência à tinta, adequabilidade ao tipo de tinta, sensibilidade à luz, entre outras características. Cada tipo de emulsão de serigrafia pode ser mais adequado para determinados tipos de impressão e substratos. 

No seguinte video, aprende como é que a emulsão de serigrafia deve ser aplicada na tela de serigrafia.

vídeo de Luís Eustáquio

Função e em que fase do processo é aplicada?

A emulsão de serigrafia é um elemento fundamental no método directo, do processo de serigrafia. O objectivo é criar uma matriz, precisa e durável (mas sempre limitada), que permita a passagem de tinta através da tela, de forma controlada e com qualidade, para o substrato.

As emulsões são sensíveis à luz UV e requerem uma fonte de luz para endurecer e formar uma matriz.

Durante o processo, a emulsão de serigrafia é aplicada sobre a malha da tela de serigrafia, formando uma camada uniforme e fina. Depois de secar, a tela é então exposta à luz com um fotolito, que contém o desenho/imagem a ser impressa. O fotolito é colocado entre a fonte de luz e a emulsão, com o objectivo de bloquear a luz nas áreas pretendidas. Por conseguinte, a luz endurece as áreas da emulsão expostas e a restante área, protegida da luz, não endurece. Após a exposição à luz, a tela é lavada com água, que remove a emulsão não endurecida, criando o desenho/imagem do fotolito.

A partir desta fase, temos a tela pronta para imprimir. A tinta aplicada sobre a tela, puxada com a raclete (rodo), irá passar para o substrato, apenas nas áreas em que a emulsão não endureceu. 

A emulsão de serigrafia desempenha um papel importante na qualidade da impressão, pois deve ser capaz de suportar a pressão e a fricção da raclete, além de resistir ao tipo de tinta utilizada (plastisol, à base de solvente, etc). Uma emulsão de serigrafia de boa qualidade deve ser capaz de manter a matriz por diversas impressões, sem desgaste ou perder detalhes. 

7 principais passos do método directo com emulsão de serigrafia

Após a preparação da emulsão de serigrafia (caso seja necessário) passamos para a fase da gravação da matriz, que inclui uma série de fases. Estes são os principais passos:


aplicação de emulsão de serigrafia

• Tela de Serigrafia Deve estar em condições, com a malha bem tensionada. Deves lavar/limpar com desengordurante, seja uma tela nova ou velha.

• Emulsionar Aplicação da emulsão de serigrafia na malha (lavada, desengordurada e seca), com rasoeira, numa camada fina e uniforme.

• Secagem Após a aplicação, a tela deve permanecer em ambiente escuro para a emulsão secar. Preferencialmente em posição horizontal.

aplicação de emulsão de serigrafia

• Fotolito É necessário um fotolito que bloqueie a luz e crie uma matriz.

• Exposição UV O quadro emulsionado, é exposto à luz UV, juntamente com o fotolito. O fotolito terá de ser posicionado entre a tela emulsionada e a luz, de forma a bloquear as áreas pretendidas. As áreas opacas do fotolito bloqueiam a luz, que não incide sobre a emulsão. A emulsão, onde não incidiu luz, não irá endurecer e será removida na lavagem.

aplicação de emulsão de serigrafia

• Lavagem/RevelaçãoNesta fase, a tela é lavada com água, para revelar a matriz. A emulsão bloqueada pelo desenho do fotolito, que não é exposta à luz, irá sair com água. Em sentido inverso, as restantes partes reagem quimicamente à luz, endurecem e ficam resistentes à água, fixando na tela.

• Secagem/Voltar a expor — Após a tela secar e ficar sem vestígios de água, aconselhamos que a tela seja de novo exposta à luz UV, no dobro do tempo que foi inicialmente exposta. Caso queiras poupar energia, podes deixa-la ao sol.


Outro método?

O método de stencil destaca-se por uma abordagem simples, diferente do método directo. Consiste no corte directo da matriz, definindo assim as áreas por onde a tinta será aplicada. O stencil pode ser feito a partir de diferentes materiais, como o papel.

Esta técnica é particularmente eficaz para projectos que são simples, não envolvem grande complexidade e muitas tiragens.


3 tipos de emulsão de serigrafia

Os três principais tipos de emulsão de serigrafia são à base de diazo, dual cure e de fotopolímero. Cada uma possui características próprias e aplicações mais adequadas.

As emulsões para serigrafia à base de diazo são bi-compostas, constituídas, em separado, pela emulsão (não sensibilizada) e o diazo, que é um composto químico sensível à luz e activado pela mesma. É necessária preparação prévia, para misturar os dois componentes. 

As emulsões de fotopolímero, devido à sua composição, já estão prontas a usar e não é necessário adicionar nenhum componente. Nesse sentido, são mais fáceis de usar do que as emulsões à base de diazo, pois não requerem preparação prévia. Também devido à sua composição, são mais sensíveis à luz e portanto geralmente requerem menor tempo de exposição e menor margem de erro.

As emulsões dual cure combinam as propriedades da emulsão de diazo e de fotopolímero. São bi-compostas, constituídas por emulsão e diazo, no entanto a emulsão é pré-sensibilizada. O que significa que após a junção (também é necessária preparação prévia, para misturar os dois componentes) é criada uma mistura com dois elementos duplamente sensibilizados.

Emulsões de fotopolímero e Dual Cure têm capacidade de produzir imagens detalhadas e nítidas. São conhecidas pela alta resistência à abrasão, bem como a solventes, o que as torna ideais para a impressão em diversos substratos. Ambas podem ser resistentes à água e a solventes (adequadas para vários tipos de tintas), enquanto as de diazo geralmente são resistentes à água ou a solventes e não ambos.

Todos os tipos de emulsão de serigrafia possuem diferentes variações e marcas disponíveis no mercado, cada uma com características próprias e propriedades específicas. A escolha da emulsão de serigrafia dependerá do tipo de material a ser impresso, da tinta usada, da complexidade do design, bem como das condições de exposição e lavagem. No entanto a preferência pessoal irá pesar sempre mais. A partir do momento que encontras o tempo certo de exposição à luz, com uma emulsão específica, e tiveres resultados positivos na impressão, vais continuar a querer trabalhar com a mesma solução. Desde que se adapte a todos os teus projectos (tipo de substrato, tipo de tinta, etc).

Existem emulsões menos nocivas ao ambiente e saúde?

É uma questão difícil de responder, tratando-se de composições químicas. Qualquer conhecimento da matéria pode ser insuficiente.

Para minimizar os riscos e o impacto ambiental, é importante seguir as diretrizes de segurança, como o uso de equipamento de proteção pessoal, ventilação adequada e a adoção de práticas responsáveis, independentemente do tipo de emulsão que uses. Para tal é necessário adoptar as medidas indicadas por cada fabricante. O uso de máscara, luvas e óculos de proteção podem ser necessários.

Prazo de validade?

O tempo de validade das emulsões para serigrafia pode variar dependendo do fabricante e das condições de armazenamento, mas em geral, as emulsões de diazo, dual cure e de fotopolímero têm prazos de validade diferentes.

Geralmente as emulsões de diazo têm um prazo de validade mais curto após a mistura com o diazo, que normalmente é de poucas semanas. Já as emulsões dual cure podem ter um prazo de validade ligeiramente maior após a mistura, mas não mais do que 6-8 semanas. Por fim, as emulsões de fotopolímero têm um prazo de validade mais alargado em comparação com as emulsões de diazo e dual cure, e podem durar vários meses ou até mesmo mais do que um ano, se armazenadas adequadamente.

No entanto, é importante seguir as instruções do fabricante e verificar a data de validade indicada na embalagem de cada emulsão de serigrafia, pois podem ter prazos de validade diferentes, consoante o tipo ou o fabricante. Além disso, o tempo de validade pode ser afectado por factores externos, como a  temperatura e a humidade. Nesse sentido, é importante armazenar as emulsões adequadamente e verificar a qualidade da emulsão antes de cada utilização.

Preparação da emulsão de serigrafia

As emulsões à base de fotopolímero estão prontas a usar, enquanto que as emulsões à base de diazo (e dual cure) necessitam de preparação. Estas emulsões são bi-compostas, sendo necessário misturar os vários elementos. Geralmente, é preciso adicionar água destilada ao diazo (pó), misturar bem e consequentemente adicionar à emulsão. A junção dos dois componentes terá de ser muito bem misturada (preferencialmente espátula de plástico) e fechada, para de seguida deixar a repousar, nunca abaixo da duração indicada pelo fabricante.

Esta preparação deve ser realizada, preferencialmente, em quarto escuro com luz adequada (por ex.: luz amarela, de modo que não seja iniciado o processo de gravação).

Conforme cada emulsão/fabricante, podem haver variações e é sempre necessário verificar as instruções e conselhos.

3 Tipos de emulsão de serigrafia: Prós e Contras

Diazo


Prós

• Mais barato

• Maior latitude de exposição

Contras

• Requerem preparação prévia

• Tempo de exposição pode ser longo

• Prazo de validade mais curto

• Geralmente resistentes à água ou a solventes e não ambos

• Menor qualidade para detalhes finos

Dual Cure


Prós

• Alta resistência à abrasão (incluindo solventes)

• Combina características de Diazo e Fotopolímero

• Maior versatilidade em aplicações

• Durabilidade

• Imagens detalhadas e nítidas

• Maior latitude de exposição

Contras

• Necessitam de preparação prévia

• Maior tempo de exposição do que fotopolímero

• Prazo de validade limitado após mistura

Fotopolímero


Prós

• Prontas a usar, sem preparação

• Alta sensibilidade à luz = Menor tempo de exposição (pode funcionar com fontes de luz fracas)

• Maior tempo de validade

• Imagens detalhadas e nítidas

Contras

• Alta sensibilidade à luz = Latitude de exposição inferior (pode facilmente expor a menos ou a mais)

• Utilização em quarto escuro adequado

Qual a emulsão de serigrafia, utilizada na FICA?

É uma emulsão de serigrafia com alta resistência à abrasão e a solventes. Tem excelente definição de impressão em qualquer malha. E é adequada para impressão com tintas de cura UV, plastisol, à base de solvente e à base de água.

Segundo o fabricante, se for armazenada e selada no recipiente original, a uma temperatura entre 20-25°C, a mesma manterá as propriedades originais até 18 meses a partir da data de produção.

PRÓS Alta resistência e adequada para todos os tipos de tinta.

CONTRAS Uma vez misturada, a emulsão sensibilizada, deverá ser armazenada em local fresco e usada num espaço de um mês e pouco.

Emulsão de serigrafia

A matriz é infinita?

Não. Qualquer matriz, gravada numa tela, com emulsão de serigrafia, não é infinita. O conceito, e ponto positivo, de uma tela, é a sua reutilização. O que significa que podemos remover a emulsão e voltar a emulsionar.

Isso significa também que, por muito resistente que seja, após começarmos a utilizar a tela, eventualmente a emulsão irá perder resistência e sair aos poucos. No entanto, se for bem cuidada, podemos fazer centenas de impressões com a mesma matriz.

A emulsão de serigrafia (dual cure) tem uma durabilidade bastante boa se seguires alguns conselhos e adoptares boas práticas. É possível que, em casos de grandes tiragens, tenhas de fazer mais que uma exposição. Pela nossa experiência uma tela gravada é capaz de reproduzir até 500 unidades (pode variar).

Conclusão

Em conclusão, a emulsão de serigrafia desempenha um papel fundamental no processo de gravação de uma matriz, (na tela de serigrafia), quando a luz UV é bloqueada durante a exposição.

A escolha entre emulsões, considerando tempos de exposição, resistência, tipo de tinta, tipo de fonte de luz (unidade de exposição) e experiência, pode ser importante para garantir qualidade na impressão.

A emulsão dual cure, garante alta qualidade na resistência à abrasão e nos detalhes finos. Ao mesmo tempo, tem maior latitude de exposição, o que torna o seu uso mais amigável aquando da gravação da matriz, principalmente se fores iniciante. No entanto a preparação prévia e menor tempo de vida, são contrariedades.

A emulsão de fotopolímero tem maior tempo de validade e não requer nenhuma preparação prévia, o que torna mais atractiva para quem não faz gravações com regularidade.

A emulsão de diazo, dos 3 tipos, é a que reune maior número de contrariedades. Mas pode ser facilmente utilizada para matrizes com menores detalhes, desde que seja adequada ao tipo de solvente da tinta utilizada.

O correcto armazenamento, seguindo prazos de validade, e a adopção de práticas responsáveis e outros conselhos são imperativos. Ao focar na resistência, armazenamento adequado e práticas responsáveis, é possível assegurar um desempenho consistente das emulsões, fundamentais para o sucesso no processo.

A sensibilidade à luz, a correcta preparação (quando necessária) e a escolha entre diferentes tipos de emulsão contribuem diretamente para a qualidade e durabilidade da matriz, influenciando positivamente a impressão final.

Um dos maiores desafios, na utilização de qualquer emulsão de serigrafia, será o tempo de exposição. Sublinhamos que qualquer aspecto poderá alterar o tempo de exposição. Começando pela própria emulsão, que pode ser mais ou menos sensível à luz.

O tipo de luz, pode implicar diferentes distâncias, entre fonte de luz e tela. A potência e o nível de UV, também vão oscilar a duração do tempo de exposição.

O tipo de fotolito, e a qualidade e nível de opacidade do mesmo, vão influenciar a exposição, devido à sua capacidade para bloquear a luz.

Se acrescentarmos o número de camadas de emulsão (1, 2 ou mais camadas), adicionamos outro factor à equação, que vai influenciar directamente o tempo de duração da exposição.

Portanto, a compreensão detalhada desses elementos e a implementação de boas práticas são essenciais para alcançarem resultados consistentes e de qualidade.

A boa utilização, no processo de impressão, principalmente na limpeza, é extremamente importante.

Terminamos por sublinhar que não estamos a concluir que a emulsão de serigrafia que utilizamos é a melhor. No entanto, durante o nosso percurso e experiências, foi a emulsão que garantiu melhores resultados, para o tipo de projectos que temos.

Recordamos que, a experiência e a experimentação, são importantes para encontrar as melhores soluções para as características dos projectos de cada um.

artigo

Emulsão de Serigrafia: 3 tipos de emulsão